Lembrança

John Lennon: 76 anos do ícone dos Beatles

09/10/2016

Para muitos, ele foi o artista mais importante do século XX. Para outros, ele ainda é o músico mais notório de todos os tempos. Para alguns outros, ele simbolizou o espírito das décadas de 60 e 70 e deu voz a mais de uma geração. Passados quase 36 anos de sua morte,John Lennon continua despertando interesse entre pessoas de todo o mundo.

 

Nascido em Liverpool, em 9 de outubro de 1940, o mais famoso dos Beatlescompletaria 76 anos neste domingo, dia 9. Famoso por advogar pela paz, Lennon foi vítima da violência. Em 8 de dezembro de 1980, aos 40 anos, o músico foi assassinado a tiros na frente do seu prédio, em Nova York, por Mark Chapman, um fã com sérios transtornos mentais.

 

Vida e a formação dos Beatles

Filho de Alfred e Julia Lennon, John foi criado por sua tia materna Mary Smith, também conhecida como Mimi. Antes do início da chamada “beatlemania”, que transformou os quatro garotos de Liverpool em estrelas mundiais, John viveu com sua tia em um sobrado na Menlove Avenue. Ainda jovem, começou a desenvolver suas habilidades musicais por influência de sua mãe, que lhe ensinou a tocar banjo e ukulele.

 
Em 1956, então com 16 anos, Lennon fundou a banda The Quarrymen. Em 6 de junho do ano seguinte, após um show da banda na igreja de St. Peter, John conheceu outro jovem músico, dois anos mais novo que ele. Seu nome era Paul McCartney, e a parceria da dupla mudaria a história da música para sempre.

 

Em 1958, Lennon teve um dos primeiros grandes choques de sua vida quando sua mãe morreu atropelada em um acidente de carro. A tragédia abalou o jovem músico e o aproximou ainda mais de Paul McCartney, que também havia perdido sua mãe cedo.

 

Por influência de Paul, John conheceu outro garoto ainda mais novo, mas com talento impressionante com a guitarra: George Harrison. Em 1960, além do trio, a banda contava também com o baixista Stuart Sutcliffe e o baterista Pete Best. Apaixonados por Rock’n’Roll, então em franca ascenção na época, os jovens rebatizam a banda. Inspirados pelo músico americano Buddy Holly e sua banda, The Crickets (grilos), eles resolvem seguir uma linha parecida para nomear seu próprio grupo. Surgiam os Beatles (besouros).

 

Período em Hamburgo e entrada de Ringo

Buscando se manter como músicos profissionais, os Beatles seguiram para uma temporada em Hamburgo, na Alemanha, onde realizaram uma série de shows em casas noturnas. Apaixonado por uma alemã, Stuart Sutcliffe decide ficar no país e deixar o grupo. Com Paul McCartney agora no baixo, a banda retorna para Liverpool e começa a realizar suas lendárias apresentações no Cavern Club. Ali, conheceram Brian Epstein, que se tornaria empresário da banda. Em 1962, chega a notícia de que Stuart havia morrido vítima de uma hemorragia cerebral. A notícia foi outro grande choque para Lennon, que tinha Stu como seu melhor amigo.

 

Pouco depois, os Beatles começam a trilhar o caminho do sucesso ao assinarem um contrato com a Parlophone. Por influência do produtor musical George Martin, a banda decide trocar de baterista, substituindo Pete Best por Ringo Starr. A medida causou polêmica entre os fãs iniciais, que protestaram contra a saída do antigo baterista. Ainda e 1962, os Beatles lançaram o compacto “Love Me Do”, que se tornou um sucesso. Com seu primeiro álbum lançado no ano seguinte, a banda iniciou a onda da beatlemania que varreu o mundo. De garotos do subúrbio de Liverpool a superastros, os Beatles eram a maior banda do planeta.

 

Blasting News

Comente

Copyright © Sertão Informado 2005-2016. Desenvolvido por Thiago Formiga